O uso da Tecnologia na Terceira Idade

Pesquisa mostra que o uso da tecnologia pode fazer com que região na memória e tomada de decisão funcionam melhor na Terceira Idade

O uso do computador está presente em nossas vidas, há uma frase que diz sobre isso: tudo o que você faz dela e quase nada se faz sem ele. Podemos dizer que o computador é uma ferramenta de trabalho, e tanto, pois nele podemos fazer várias atividades, tais como a leitura de um artigo de notícias na internet, assistir o clipe de seu cantor preferido, conversar com seus amigos e familiares na internet. Estas são algumas das ações que podem ser realizadas no mundo virtual. Quando podemos citar esses exemplos, pode parecer que apenas os jovens a fazer este trabalho, mas o número de pessoas na terceira idade vem crescendo muito no uso de computadores e da tecnologia de que a rodeia.

Neste cenário, o acesso à INTERNET, rede social, recursos de entretenimento, uso de e-mails, shopping, virtual, do curso modalidade EAD, pagamento de contas e outros recursos gerados pelo ambiente digital tem sido uma parte da rotina diária na terceira idade. Esse uso do computador e sua tecnologia tem produzido muitos benefícios e facilidades para os diversos grupos de idade e, principalmente, na terceira idade. O que reforçou a perspectiva do computador como uma coisa necessária.

Esses benefícios não são apenas na vida diária, mas também em benefícios cognitivos, uma vez que leva os idosos a usar sua mente e intelecto, assim, produzir conhecimento. O uso da TECNOLOGIA pode tornar o idoso funcionam melhor na região da memória e de tomada de decisão, além de ser um aliado importante para o idoso não perde a sua capacidade de raciocínio.

Você não pode negar que, para uma grande parte das pessoas que fazem esta parte pública a utilização de sistemas de computador ainda é um desafio, porque há tantas medo ou assustado “de novo”. Além disso, muitos deles são avessos ao computador dizer que é algo para os jovens e fazer uma analogia “o cavalo velho não obter marcha“. No entanto, novas perspectivas de acesso ao universo digital não é uma parte da terceira idade para lidar com este público do estado de um sujeito ativo no cotidiano das práticas de relações sociais, que vão além da perspectiva do ostracismo.